Pessoas com obesidade podem fazer pilates?

pessoas-com-obesidade-podem-fazer-pilates

O que é a Obesidade?

A obesidade é caracterizada pelo acúmulo excessivo de gordura corporal no indivíduo. Para o diagnóstico em adultos, o parâmetro utilizado mais comumente é o do índice de massa corporal (IMC).

O IMC é calculado dividindo-se o peso do paciente pela sua altura elevada ao quadrado. É o padrão utilizado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que identifica o peso normal quando o resultado do cálculo do IMC está entre 18,5 e 24,9. Para ser considerado obeso, o IMC deve estar acima de 30.

O Brasil tem cerca de 18 milhões de pessoas consideradas obesas. Somando o total de indivíduos acima do peso, chega a 70 milhões, o dobro de há três décadas.

A obesidade é fator de risco para uma série de doenças. O obeso tem mais propensão a desenvolver problemas como hipertensão, doenças cardiovasculares, diabetes tipo 2, entre outras.

São muitas as causas da obesidade. O excesso de peso pode estar ligado ao patrimônio genético da pessoa, a maus hábitos alimentares ou, por exemplo, a disfunções endócrinas.

Sedentarismo na obesidade

O que anda fazendo para mudar isso?
Se já está agindo… parabéns, mas se a falta de motivação é maior, que tal tentar começar alguma coisa agora.

Então mãos à obra e mexa-se, pelo menos 30 minutos por dia. Para dar um empurrãozinho na sua decisão, conheça o método pilates pode auxiliar nesse processo do sedentarismo.

Pilates na obesidade

O Pilates pode ser uma ótima opção para pessoas obesas ou com sobrepeso, por diversos motivos:

– o uso do Pilates como treinamento físico pode aumentar o gasto energético desses indivíduos e diminuir o excesso de gordura;
– pode ser usado para trabalhar as alterações posturais consequentes do excesso de peso;
– pode agir como ferramenta de socialização, já que pessoas obesas muitas vezes são discriminadas por seus colegas;
– a pessoa que pratica o Pilates pode desenvolver seu gosto pela atividade física e fica mais motivada a aderir a hábitos saudáveis e boa alimentação.

O instrutor deve estar atento na condução dos toques tácteis que se dá, basicamente, pela colocação e direcionamento das mãos nos ossos e músculos. Além disso o próprio olhar sobre o aluno terá de ser mais aguçado, já que seu esqueleto não estará tão visível devido à gordura, mas nada que impossibilite a prática de Pilates. O fato de estar algo mais difícil não significa, em momento nenhum, nada que passe perto de desistir da prática. É importante o instrutor, estimular no aluno a busca de suas sensações diante de seu corpo como está e encontrar sempre posições confortáveis e, na medida do possível, propor aulas dinâmicas e fluidas que contribuam, além da conscientização corporal e organização intrínsecas no método, com o aumento do gasto calórico.

Como montar uma aula de pilates para uma pessoa obesa?

Segundo a fisioterapeuta Zenilda Soares, cabe ao instrutor de pilates, perceber as dificuldades e as limitações que o aluno apresenta quando inicia suas aulas de pilates. É importante trabalhar nos primeiros meses a consciência corporal que levará o aluno a uma postura mais correta e exercícios que levam a reabilitação das atividades funcionais do dia a dia proporcionando o aluno agilidade para as funções básicas no seu trabalho ou até mesmo no lazer.

Com a melhoria do condicionamento físico e emagrecimento, é possível evoluir para os exercícios mais elaborados do pilates. A cada aula uma melhora, a cada mês novos exercícios e a cada ano uma vitória.